• Aquários Sobrinho

A filtragem de um lago ornamental

Um lago ornamental pode ser o xodó da casa, mas também pode ser uma grande dor de cabeça se a filtragem não for escolhida e montada adequadamente. Leia esse texto e entenda melhor quais as melhores opções de filtros para a filtragem química, filtragem física e filtragem biológica de lagos ornamentais.

Nesse texto você verá o seguinte conteúdo:

  1. Introdução sobre a filtragem de lagos ornamentais

  2. Os principais problemas de filtragem de um lago ornamental

  3. Alimentação de má qualidade

  4. Exposição excessiva à luz solar

  5. Peixes inadequados para lagos ornamentais

  6. Animais externos

  7. Baixa circulação

  8. Água de chuva

  9. Árvores em volta do lago

  10. Aumento da carga orgânica no médio e longo prazo

  11. Filtragem física ou mecânica no lago ornamental

  12. Filtragem química do lago ornamental

  13. Filtragem biológica do lago ornamental

  14. Os tipos de filtros usados em lagos ornamentais

  15. Filtro canister para lago ornamental

  16. Sump

  17. Filtro Dry/Wet

  18. Filtro biológico de fundo

  19. Oximax

  20. Gerador de Ozônio

  21. Filtros decantadores

  22. Filtro pega-folhas

  23. Filtro de Telas

  24. Filtro rotativo

  25. Filtro fluidizado ou filtro de leito móvel

  26. Filtro de leito de areia

  27. Filtro de plantas

  28. Filtro UV

  29. Principais pontos a se considerar em um filtro de lago ornamental

  30. Conclusão

  31. Referência bibliográficas


1. Introdução sobre filtragem de lagos ornamentais


Muitos dos atendimentos que nós resolvemos sobre lagos ornamentais são de pessoas que fizeram um lago e apenas depois procuram um filtro para ele. Em quase 100% dos casos, as pessoas procuram filtros que não dão conta nem de filtrar um pequeno aquário para filtrar lago com milhares de litros de água, o que mostra um desconhecimento do que é necessário para a filtragem de um lago ornamental.


Lagos ornamentais são sistemas aquáticos grandes, geralmente externos sob influência da chuva, vento e raios solares o que torna a filtragem desse tipo de ambiente muito diferente da filtragem convencional de aquários.


Se você quer montar um lago e ser satisfeito com ele, acompanhe esse texto e veja com muitos detalhes como escolher o filtro ideal e como entender a demanda de filtragem do seu lago ornamental.


São os filtros do seu lago ornamental que vão garantir a boa qualidade da água com ela cristalina e sem sujeira.


1.1 Lago grande, Filtro grande


Uma coisa muito importante que se precisa ter ideia quando vai se montar um lago ornamental é que quanto maior o lago, maior o sistema de filtragem necessário. Recebemos muitos pedidos de orçamento para lagos grandes com mais de 10000 litros de água e quando falamos que só os filtros sem as bombas ficam por bem mais que R$5000,00 (cinco mil reais) eles quase “caem pra trás”.


Quanto maior o lago, maior o sistema de filtragem tem que ser pra manter a boa qualidade da água. Quanto maior o sistema de filtragem, mais caro ele é.

Antigamente quando não trabalhávamos com filtros canister para lagos ornamentais, as caixas de filtragem que fazíamos usavam cerca de 10% do volume do lago para fazer a filtragem, isso é muita coisa! Um lago de 5000 litros teria em média uma caixa de filtragem com volume de 500 litros. Hoje, com o uso de filtros pressurizados, o tamanho reduziu consideravelmente, mas ainda assim são filtros grandes.


1.2 Lago ornamental tem muita fonte de sujeira


Diferente dos aquários onde a maioria da sujeira vem do próprio aquário, principalmente da ração, nos lagos ornamentais a sujeira vem de diversas fontes. Chuva e vento são as principais fontes de sujeira, assim como animais domésticos que entram ou fazem suas necessidades no lago ou animais silvestres como pássaros e morcegos.


Um dia de ventania em um tempo seco pode encher o lago de poeira e folhas assim como a água da chuva que escorrer para dentro do lago pode carregar grande quantidade de terra.


Quando se pensa na filtragem de um lago ornamental, tem que levar em conta principalmente o ambiente externo, as condições ambientais na qual o lago está submetido.

2. Os principais problemas de filtragem de lagos ornamentais

Os lagos ornamentais de maneira geral possuem problemas de filtragem comuns a todos eles que acabam sendo os principais causadores de problemas. Falaremos um pouco de cada um deles abaixo.


2.1 Alimentação de má qualidade ou ração inadequada


De longe o pior dos problemas que vemos nos lagos ornamentais é o uso de ração de baixa qualidade. Muitas vezes é até uma ração de boia qualidade, mas completamente inadequada para alimentação de peixes ornamentais.


Muitas pessoas compram ração para cães ou gatos e alimentam os peixes do seu lago e isso prejudica a qualidade da água e a saúde do peixe.


Veja o vídeo abaixo e vai ver que tem pessoas que até indicam uso de ração inadequada publicamente.

A alimentação de má qualidade ou inadequada vai contribuir consideravelmente para a péssima qualidade da água, seja aumentando a quantidade de matéria orgânica, seja aumentando a quantidade de partículas na água.


As rações de piscicultura usados para engorda de peixe de corte possuem os nutrientes adequados para a nutrição dos peixes, mas não tem as características necessárias para manter a qualidade de água de um lago ornamental: contribuir para uma água transparente e cristalina.


As rações feitas para peixes ornamentais, seja para peixes de aquários ou lagos, além e manter um alto valor nutricional, possuem componentes de alta digestibilidade para que as fazes dos peixes sejam em muita pouca quantidade e que não turvem a água.

Acesse o link abaixo e leia um pouco do texto que escrevemos sobre a alimentação dos aquários.


https://www.aquariossobrinho.com/post/alimentacao


2.2 Exposição excessiva à luz solar


Um dos grandes problemas dos lagos ornamentais externos é a exposição à luz solar, sendo esta a principal causa do aparecimento da água verde e também do desenvolvimento excessivo de microrganismos.


As algas verdes, embora inofensivas na maior parte das circunstâncias, são esteticamente desagradáveis e impedem que as pessoas possam ver com detalhes o lago. Em casos de alta temperatura e alta concentração de algas, a oxigênio dissolvido do lago pode ficar em valores muito baixos causando a morte dos peixes.


Já falamos da oxigenação de aquários e lagos ornamentais no texto abaixo:

https://www.aquariossobrinho.com/post/o2aquario


A luz solar também causa aumento da temperatura do lago, um fator que aumenta a atividade microbiológica, reduz o oxigênio dissolvido e causa estresse em peixes de água fria como carpas e kingyos.


Já falamos desse assunto numa sequência de textos sobre a temperatura dos aquários que o primeiro pode ser lido no link abaixo:

https://www.aquariossobrinho.com/post/atemp1


2.3 Peixes inadequados para lagos ornamentais


Nesse ponto há sempre muita confusão, então vamos dar a nossa definição de peixes adequados e peixes inadequados:


Peixes adequados para lagos: São peixes dóceis que não comprometam a ecologia do aquário, a sua estrutura física e a qualidade da água.


Peixes inadequados para lagos: São peixes agressivos que comprometem não só a ecologia do aquário, como sua estrutura física (furando lona, por exemplo) e a qualidade da água (fezes mal digeridas que turvam a água).


É recorrente nos nossos atendimentos as pessoas quererem colocar ou terem colocado tilápias no aquário. Tilápia é um peixe agressivo e com um sistema digestivo que prejudica em muito a filtragem do lago. É muito difícil manter a boa qualidade de água de um tanque com tilápias.


2.4 Animais externos


Quando falamos animais externos, estamos falando de patos, galinhas, cachorros, gatos, pássaros e qualquer animal que por ventura possa urinar ou defecar no lago ornamental.


As fezes e urinas dos animais externos possuem muita matéria orgânica que prejudica a nitrificação e aumenta a turbidez da água, são ricos em particulados sólidos que turvam a água e são ricos em material nitrogenado que acaba se transformando em amônia e nitrito.


Um lago que seja frequentado por animais externos precisa ter uma filtragem muito mais eficiente e eficaz do que um lago que não tem esse tipo de problema.

Abaixo segue um vídeo muito curioso de um lago feito pra um cachorro. Um cachorro vai entrar numa fonte de água acessível sempre que quiser se refrescar.

2.5 Baixa circulação


Os lagos ornamentais em sua grande maioria dos casos possuem a característica de terem uma grande área superficial e uma baixa altura, isso faz com que a circulação do lago fica mais lenta e fraca já que a correnteza tem uma área maior pra se dividir.


A correnteza fraca tem menos força para carregar a sujeira até os filtros o que faz com que a sujeira se acumule no fundo do lago. A sujeira no fundo do lago acaba sendo sempre remexida pelos peixes e isso dá a aparência que a água nunca está limpa.


É importante que a circulação do lago seja tal que a sujeira não se acumule seja com grande circulação nos filtros ou com o uso de bombas de circulação auxiliares.


2.6 Água de chuva


A água de chuva geralmente é uma das águas com menor quantidade de contaminantes que você vai encontrar para o seu lago ornamental. Isso é verdade até que a água da chuva passe por um telhado sem calha de captação e caia no lago arrastando junto poeira, fezes de pássaros, gatos e lagartixas, folhas, galhos e o que mais estiver no telhado.


A água da chuva também é muito limpa até passar por galhos de árvores cheios de sujeiras ou mesma de carregar a terra do chão com o fertilizante das plantas do jardim.


Muitos problemas “misteriosos” são causados por problema de água da chuva que escoa para o lago.


Também há um mito de que água de chuva é boa para qualquer lago ornamental por não ser suja. Embora não tenha compostos ruins (considerando uma boa qualidade do ar), a água da chuva não tem uma série de minerais essenciais para o ambiente aquático como cálcio, magnésio e carbonatos.


Se você usa água de chuva no seu lago, é imprescindível a reposição mineral.


2.7 Árvores em volta do lago


As árvores fornecem uma sombra agradável para o lago protegendo assim do excesso dos raios do sol, porém, além de folhas e galhos caírem na água, poeira e outras sujeiras escoam com a chuva e os pássaros e morcegos que pousam e defecam e jogam restos de alimento na água.

No caso das árvores o principal problema é que o excesso de folhas pode entupir o filtro causando problemas sérios, seja na filtragem, seja até mesmo jogando a água do lago para fora.


O vídeo abaixo mostra um lago em que fomos contratados para reformular o sistema de filtragem e que o construtor, de má fé, usou um filtrinho para poder ficar ganhando dinheiro com manutenções periódicas. Esse lago foi construído embaixo de uma castanheira, árvore que tem uma grande taxa de queda de folhas, flores e frutos, o que aumenta muito a carga orgânica e de sujeira física da água do aquário.

Escrevemos um texto explicando o caso desse lago acima que pode ser lido no link abaixo onde explicamos os problemas de filtragem desse lago:

https://www.aquariossobrinho.com/post/lagocbarra


2.8 Aumento da carga orgânica no médio e longo prazo


Outra coisa bastante comum é a pessoas montar o seu lago ornamental e colocar os peixes. Durantes os primeiros meses tudo acontece bem, mas depois de um tempo, “misteriosamente”, as coisas começam a dar errado.


Geralmente as carpas quando são compradas tem 20 e poucos centímetros e não pesam mais que 500 gramas, em um ano o peso dessa carpa dobrou se bem cuidada e em 3 anos triplicou. Além disso, com o passar do tempo as algas surgem no lago em grande quantidade e os donos logo arrumam cascudos que convertem as algas em fezes. Cascudos de muitas espécies crescem tanto quanto carpas.


Além disso, sempre tem aquela carpa irresistível que estava na loja, a carpa que foi presente de um amigo, o peixe que é um agrado pro filho pequeno...


Não estimar a demanda de filtragem no futuro é um problema recorrente. As pessoas fazem lagos com filtros pensando no imediato, mas acabam esquecendo que os peixes crescem e que mais peixes quase sempre são adicionados no lago.


É muito importante cobrir a capacidade de filtragem do lago no longo prazo para evitar problemas ou amenizar problemas.


Agora que já falamos de muitos problemas comuns da filtragem dos lagos ornamentais, vamos falar dos clássicos processos de filtragem e suas considerações em relação aos lagos ornamentais.


3. Filtragem física ou mecânica no lago ornamental


Começamos a falar da filtragem física porque é de longe o processo de filtragem mais importante nos lagos ornamentais.


A filtragem mecânica é crucial para aliviar a carga biológica do filtro, ela vai retirar uma série de material sólido que iria se decompor em se transformar em matéria orgânica dissolvido, amônia, nitrito e compostos que tingem a água (por exemplo, taninos de folhas e troncos).


Já falamos da filtragem física de lagos ornamentais no texto no link abaixo:

https://www.aquariossobrinho.com/post/ffisica


As principais coisas que a filtragem mecânica vai precisar remover são:


  • Restos de ração;

  • Folhas e gravetos;

  • Restos de plantas aquáticas;

  • Poeira;

  • Algas soltas;

  • Penas de pássaros;


Todos esses itens que a filtragem física vai remover são de difícil decomposição e vão contribuindo pouco a pouco para o entupimento do sistema de filtragem.


Há bastante tempo atrás um de nossos clientes chegou com um de nossos filtros completamente entupidos. Foi a primeira e única vez que vimos um de nossos filtros para lago realmente entupido que não passava água. O filtro estava cheio de grama cortada, litros de grama cortada, que foi juntando da poda ao redor do lago.

Um filtro de lago entupido pode causar sérios problemas e prejuízos para o dono.

É importante mencionar que esse entupimento é gradual e acontece 24 horas por dia. Como o lago tem uma área muito grande as pequenas sujeiras acabam passando despercebida, porém se concentram no filtro.


A filtragem física do lago precisa ser limpa frequentemente para evitar entupimento.

O vídeo abaixo mostra a retrolavagem de um de nossos filtros no lago de um cliente. Veja a quantidade de sujeira que vai se acumulando.


3.1 Necessidades do filtro mecânico de lagos ornamentais


A filtragem física do lago ornamental é um tanto diferente de aquário por causa da demanda incomparavelmente superior de sujeira. A pessoa que vai fazer o lago tem que ter a noção que o filtro mecânico é grande, precisa ser grande.


Um filtro grande vai ocupar muito espaço, não tem jeito.


Outro ponto importante é que os filtros de lago precisam ter a capacidade de passar o maior tempo possível sem fazer manutenção. Muitos filtros de lago são excelentes para filtragem física, porém requerem manutenção quase que diária.


O dono do lago precisa fazer ou ter alguém que faça as manutenções periódicas na filtragem física. Muitas vezes não se gasta nem 10 minutos, mas a rotina se torna enfadonha.


Fazer a limpeza do sistema de filtragem física só vai aliviar a filtragem biológica e contribuir para a melhor qualidade da água do seu lago.


3.2 As mídias para a filtragem física ou mecânica dos lagos ornamentais


Diferente dos filtros de aquários, alguns filtros de lago ornamental não usam mídias para fazer a filtragem física ou mecânica, a própria estrutura do filtro, de uma forma de ou outra fazer a separação da sujeira indesejada. Iremos falar desses filtros específicos mais adianta nesse texto, então vamos falar um pouco sobre as mídias para filtragem física.


Os lagos que usam filtros do tipo canister, sump ou dry-wet utilizam mídias para reter as partículas, enquanto os lagos que utilizam filtro de fundo retêm a sujeira no próprio substrato.


As mídias mais comumente usadas são:


  • Manta acrílica comum (perlon, acrilon, etc): Mídia de fácil acesso e barata, geralmente encontrada em casa de tecidos e artesanato, retém a sujeira muito bem, embora sejam macias e sejam comprimidas com frequência, o que favorecem o rápido entupimento. Geralmente precisam ser trocadas quase que diariamente em lagos ornamentais.

  • Areia/cascalho: Um dos filtros mais antigos e simples, extremamente eficiente e barato, embora seja um dos filtros com maior necessidade de mão de obra e trabalho na manutenção. Um filtro desse com 50 litros de areia molhada pesa mais de 100 kg e que precisam ser lavados para retirar a sujeira retida.

  • Mantas especiais de exaustor de ar ou manta geotêxtil: são materiais pouco conhecidos, mas que funcionam melhor que o perlon por serem mais resistentes e não se compactarem com facilidade. Assim como o perlon, precisa de manutenção com bastante frequência.

  • Argila expandida: de longe o melhor custo benefício para filtragem física de lagos por serem leves, relativamente baratas e por entupirem com mais facilidade. Das mídias que conhecemos é a que permite maior intervalo entre as limpezas.

Já falamos bastante da argila expandida como mídia física e biológica que pode ser lido no link abaixo:

https://www.aquariossobrinho.com/post/argilaexpandidade


As mídias para filtragem física dependem muito mais da forma como são usadas do que da mídia assim. Além do mais, existem variações de tipos e modelos que tornam as receitas de bolo de filtragem muito difíceis de darem certo.


As mantas de modo geral não são laváveis porque na hora de esfregar elas rasgam, mas algumas são resistentes e mantém sua forma mesmo após lavadas e esfregadas.

Curiosidade da vez: Você sabe quais os mecanismos que fazem as partículas de sujeira serem separadas da água na filtragem mecânica?


A pergunta acima parece bastante trivial, mas existe toda uma ciência complexa por trás. Muitas mídias filtrantes utilizam de princípios eletrostáticos para reter as partículas, embora o fenômeno não seja visualmente percebido.


Os principais mecanismos existentes na filtragem física com o uso de mídias são os seguintes:


  • Interceptação direta: Quando a partícula é retida diretamente pela mídia e não consegue sair mais do lugar. Exemplo: telas e mantas.

  • Difusão: quando as partículas são muito pequenas eles exibem um movimento aleatório que acaba por “estacionar” em um lugar e ficam por lá. Exemplo: retenção de partículas no biofilme.

  • Inércia: Quando a massa da partícula é grande demais e o fluxo da água não tem força suficiente para movimenta-la para “dar a volta” na mídia. Exemplo: mídias plásticas grandes como bioballs.

  • Sedimentação: quando a partícula tem densidade maior que a do fluido ela tende a ir para baixo quando a velocidade é baixa. Exemplo: decantadores.

  • Hidrodinâmica: devido ao gradiente de velocidade que o fluido tem, a velocidade na superfície exata da mídia é zero, ou seja, a partícula de sujeira fica estacionada. Exemplo: qualquer mídia.

  • Atração eletrostática: Partículas com cargas elétricas opostas à da mídia tendem a serem atraídas e ficarem aderidas. Exemplo: vidro sintetizado, argilas diversas e mantas especiais.

Fonte: imagem retirada de Stuetz & Stephenson (2009)

Cada método de filtragem mecânica do lago utiliza de um ou mais desses mecanismos para reter as partículas.

Na nossa experiência as mídias que tivemos mais sucesso em lagos ornamentais foram a argila expandida e a mídia plástica (bioballs, por exemplo) que não entopem com facilidade, fazem uma boa filtragem e permitem uma fácil manutenção.


A imagem e vídeo abaixo mostra o nosso filtro da antiga bateria de carpas apenas com argila expandidas como mídia física e biológica.


Não há como dizer uma quantidade de cada mídia para fazer a filtragem física já que cada lago tem uma grande variedade de fatores externos que contribui, além que depende de fatores relacionados ao sistema de filtragem.


4. A filtragem química do lago ornamental


A filtragem química é o processo de filtragem menos exigido por causa do seu custo benefício não ser muito bom. A maioria dos bons sistemas de filtragem física e biológica mantém a água com boa qualidade e um leve tom de amarelo não interfere no visual.


A principal mídia usada para filtragem química dos lagos é o carvão ativado, velho conhecido do aquarismo, que pode ser usado em praticamente qualquer tipo de filtro. A dosagem depende do tamanho do lago e do filtro usado, mas a média é algo em torno de 1 gramas para cada litro de água, ou seja, um lago de 5000 litros usa em torno de 5 kg de carvão ativado.


Já escrevemos um texto explicando bastante coisa do carvão ativado que pode ser lido no link abaixo:

https://www.aquariossobrinho.com/post/carvaoativado


O ozônio, radiação ultravioleta e o Oximax não são mídias propriamente ditas, mas possuem a capacidade de destruir as moléculas que o carvão ativado remove. Falaremos desses filtros mais adiante.


A zeolita é outra mídia com capacidade para fazer a filtragem química de lagos ornamentais de uma grande variedade de compostos. Já escrevemos um longo texto falando somente da zeolita que pode ser lido no link abaixo:

https://www.aquariossobrinho.com/post/zeolita


5. A filtragem biológica de um lago ornamental


Depois da filtragem física, a filtragem biológica é o tipo da filtragem mais importante de um lago ornamental. É ela quem vai decompor a maior parte da matéria orgânica da água (restos de ração, fenóis, corantes, etc.) e também transformar a amônia em nitrito e o nitrito em nitrato.


Não vamos nos estender sobre detalhes desse assunto porque já escrevemos um longo e detalhado texto sobre isso que pode ser lido no link abaixo. Então, nesse texto aqui, vamos dar umas diretrizes mais práticas sobre filtragem biológica de lagos ornamentais.

https://www.aquariossobrinho.com/post/filtragembio

5.1 As mídias para filtragem biológica de lagos ornamentais

Como a gente havia falado, os lagos ornamentais são sistemas com uma grande quantidade de partículas sólidas que chegam no filtro e isso faz com que mídias biológicas pequenas que favoreçam o entupimento praticamente proibitivas já que só vão causar problemas.

Nesse contexto, as melhores mídias biológicas para lagos ornamentais são aquelas que possuem grandes espaços vazios entre si para evitar o entupimento e para ter uma menor perda de carga. Devido à grande vazão dos sistemas de filtragem dos lagos, a perda de carga no filtro é grande também.

Então, num lago ornamental, não se preocupe com questões como superfície específica das mídias filtrantes, preocupe em um sistema que não entupa.


A superfície específica é o fator mais superestimado da filtragem biológica de lagos e aquários e já escrevemos um texto sobre o assunto que pode ser lido no link abaixo:

https://www.aquariossobrinho.com/post/superficieespecifica


Das mídias porosas as que tivemos maior sucesso foram com os grandes anéis de cerâmica, principalmente a Siporax Pond, usada de maneira organizada no filtro. A maneira organizada permite que os canais passem água livremente sem nenhum problema.


Das mídias não porosas de longe as melhores que encontramos foram a argila expandida e as mídias plástica como bioball. Eles juntam todas as propriedades necessárias para uma boa filtragem biológica do seu lago.


Muita gente usa pedras em forma de britas como mídia biológica, funciona bem, a questão é que são pesadas e a manutenção complicada. Um sump enterrado no chão com 4 baldes (48 litros) de brita tem uma grande capacidade de filtragem, mas vale a pena o trabalho de ficar abaixado pra tirar e limpar quase 100kg de mídia?

Espumas e escovas são mídias de filtragem bastante utilizadas no mundo todo. São boas mídias. As espumas ficam melhores quando usadas fluidizadas que aproveitam melhor suas capacidades e amolecem mais devagar.

A quantidade de mídia biológica do lago vai em função do volume total do lago e da quantidade de peixes. Estamos trabalhando com bons resultados em nossos filtros canister para lagos com uma média de 1 litro de mídia biológica para uma média de 50 a 100 litros de água do lago. Essa quantidade tem funcionado muito bem para filtragem física e biológica, porém é completamente dependente de outros fatores como vazão, pega-folhas, pH e reserva alcalina do lago.


Outros sistemas de filtragem podem ter necessidades diferentes de quantidade de mídias biológicas.

6. Os tipos de filtros usados em lagos ornamentais

Já falamos sobre os pontos importantes da filtragem dos lagos ornamentais e agora vamos falar sobre os tipos de filtros para eles. Vamos tratar de alguns aspectos gerais, mas vamos evitar, como sempre, dar fórmulas de receitas já que isso não funciona sem conhecer a real demanda do sistema.


Todo tipo de filtro de lago pode proporcionar uma boa qualidade de água, tudo depende de como o sistema de filtragem foi montado. Se você pegar uma caixa d’água e encher daquelas sacolas de tela usadas pra embalar grandes quantidades de batata e cebola, vai funcionar, a questão é o quão difícil vai ser a manutenção pra ficar funcionando.

A reportagem abaixo mostra como o zoológico de Salvador utiliza tampinhas de garrafa pet para fazer a filtragem da água de alguns de seus tanques. Funciona, mas a limpeza não é fácil.

http://tv.r7.com/record-news-play/record-news-nordeste/videos/zoologico-de-salvador-ba-reutiliza-tampinhas-de-garrafa-pet-21102015

Outra coisa muito importante é que os filtros de lagos precisam ser resistentes às intempéries por muito tempo. O filtro de lago não pode ressecar no sol, na chuva, no tempo seco, devido ao vento, etc. Um filtro frágil só vai dar trabalho, dor de cabeça e prejuízo.

6.1 Filtro canister para lagos

Filtro canister Aquários Sobrinho

Os filtros canister são os modelos de filtros mais compactos e versáteis que se pode ter num lago ornamental. Eles podem ficar longe ou perto da água, acima ou abaixo e podem ser movidos com grande facilidade.


Conheça os fantásticos filtros canister da Aquários Sobrinho no link abaixo: https://www.aquariossobrinho.com/filtro-canister

  • Forma de usar: os filtros canister para lago geralmente usam bomba externa que capta a água do lago e joga para o filtro, isso permite que o filtro fiquei perto ou longe, alto ou baixo, dependente apenas da força da bomba para definir os limites. Basta ter um filtro com as mídias adequadas, ligar na bomba e pronto.

  • Principais vantagens: São compactos, tem bom aproveitamento de uma grande quantidade de mídias, permitem a retrolavagem, melhor custo/benefício em todos os sentidos.

  • Principais desvantagens: O custo de aquisição inicial pode ser mais alto quando se considera sistemas de filtragem caseiros onde o dono vai usar uma caixa d’água cheia de mídia.

  • Melhores mídias: Siporax Pond, argila expandida e bioballs.

  • Piores mídias: Mantas acrílicas, espumas macias e frágeis, Matrix.

  • Facilidade de manutenção: Quando possui retrolavagem tem uma manutenção dácil e eficiente.

  • Dicas: Os filtros do tipo canister para lagos entopem com facilidade quando usado com mídias inadequadas como as pequenas e as moles, então use sempre mídias rígidas e grandes. Evite usar o filtro ultravioleta em série com o filtro canister porque as grandes vazões da filtragem biológica prejudicam a eficiência da UV, mas caso seja mandatório em série, use o UV sempre antes, na entrada do canister, nunca na saída, porque na saída causa um contrapressão muito grande que pode causar vazamentos ou mesmo “implodir” seu filtro.

6.2 Sump para lago ornamental


O sump é um dos sistemas de filtragem mais antigos que tem já que é nada mais que um compartimento definido para colocar mídias filtrantes e qualquer outro equipamento auxiliar como reator de aragonita, gerador de ozônio, etc.


Já falamos um tanto bom sobre sump que pode ser lido no link abaixo:

https://www.aquariossobrinho.com/post/_sump


  • Forma de usar: O sump geralmente recebe a água do lago por gravidade e retorna a água para o lago por um recalque, dessa forma o sump precisa estar nivelado ou acima do lago (nesse caso a água vai para o sump com uma bomba e volta por gravidade). Basta preencher os repartimentos com as mídias e pronto.

  • Principais vantagens: Aceita todo tipo de mídia filtrante e pode ser feito com materiais de fácil acesso. Também organiza todos os equipamentos do lago em um local só.

  • Principais desvantagens: É de manutenção mais trabalhosa e requer uma organização adequada.

  • Melhores mídias: Qualquer mídia funciona bem.

  • Piores mídias: Não há mídias ruins.

  • Facilidade de manutenção: de moderada a baixa. Como os sumps são nivelados com o lago, a pessoa precisa ficar sentada ou agachada fazendo esforço

  • Dicas: Sempre que puder faça o sump exatamente nivelado com o lago, nunca abaixo. Caso haja algum problema com a bomba do sump, o lago vai jogar continuamente água dentro do sump que vai transbordar.

6.3 Filtro Dry-wet para lago


O dry wet é um sistema de filtragem bastante interessante, principalmente para filtragem biológica já que tem uma grande capacidade de oxigenação da água. Também, se o filtro for aberto, é um filtro com uma boa capacidade de refrigeração do lago através da evaporação da água.


O dry-wet é um filtro por gravidade onde a bomba do lago vai jogar a água que fvai escorrer pelas mídias filtrantes. Por esse motivo muitas vezes é chamado de filtro por gravidade, filtro chuveiro e similares.


É possível fazer dry-wets com decantadores anexados no final para reter o particulado sólido devido ao fato da água escorrer lentamente por entre a mídia fazendo com que a sujeira chegue no fim do filtro com pouca velocidade e assim sendo fácil de decantar.

Já escrevemos um texto falando do filtro dry-wet que pode ser lido no link abaixo:

https://www.aquariossobrinho.com/post/drywet


  • Forma de usar: O dry wet fica melhor quando usado no próprio lago de maneira suspensa com a bomba jogando em cima dele.

  • Principais vantagens: Barato, fácil de fazer, pouco problema de entupimento.

  • Principais desvantagens: Grande evaporação e perda de água e também não permite usar outros equipamentos anexo ao filtro.

  • Melhores mídias: Escovas, argila expandida e bioballs

  • Piores mídias: mídias pequenas como carvão ativado e matrix.

  • Facilidade de manutenção: de baixa a moderada

  • Dicas: é um dos filtros caseiros mais fáceis de se fazer. Veja o exemplo simples do vídeo abaixo. Dá pra usar floreiras, garrafas, baldes, caixotes, etc.


6.4 Filtro biológico de fundo


O filtro biológico de fundo foi um filtro muito usado décadas atrás e até hoje continua sendo usado. Recebemos um contato em outubro de 2020 com um grande lago que usava filtro biológico de fundo.


O funcionamento do filtro biológico de fundo é simples, a bomba suga a água através do substrato e vai filtrando, porém há uma série de desvantagens como manutenção complicada e grande perda de carga.


Já escrevemos um texto sobre o filtro biológico de fundo que pode ser lido no link abaixo:

https://www.aquariossobrinho.com/post/__fbf


  • Forma de usar: A única forma de usar um filtro biológico de fundo é através do substrato. Use um substrato bem grosso para facilitar a circulação da água.

  • Principais vantagens: Não usa mídias em si, usa o próprio substrato do lago como filtragem física e biológica.

  • Principais desvantagens: A manutenção é praticamente a remontagem do lago. Se o lago tiver muita entrada de sujeira, vai precisar ser regular.

  • Melhores mídias: Não usa.

  • Piores mídias: Não usa.

  • Facilidade de manutenção: Manutenção extremamente trabalhosa.

  • Dicas: A dica é uma só: não faça um filtro biológico de fundo para o seu lago.

6.5 Oximax


O Oximax é um filtro eletrolítico desenvolvido pela Aquários Sobrinho para filtragem de aquários e lagos ornamentais. O Oximax trabalha com várias frentes de funcionamento sendo a oxidação, separações magnéticas e eletrostáticas e a emulsificação de moléculas os principais mecanismos.

O Oximax foi feito pensando em juntar os benefícios do uso do ozônio, mas sem os riscos desse tipo de equipamento. Ou seja, ele é capaz de oxidar matéria orgânica, matar algas e microrganismos indesejados, aumentar a oxigenação e facilitar a separação de sujeira.


Para mais detalhes sobre o Oximax basta acessar nossa página desse equipamento:

https://www.aquariossobrinho.com/oximax


  • Forma de usar: o Oximax pode ser usado com uma bomba independente ou em série com um canister ou bomba de recalque. Devido às suas partes eletrônicas, é preciso ficar ao abrigo da chuva.

  • Principais vantagens: Deixa a água mais cristalina, ajuda na filtragem física e biológica, melhora a oxigenação e mata microrganismos causadores de doenças. Substitui as mídias de filtragem química. Oxida apenas a água que passa por seus eletrodos garantindo uma maior segurança contra acidentes.

  • Principais desvantagens: É um filtro auxiliar que preciso dos filtros básicos de filtragem física e biológica para funcionar. Por ter seu maior potencial de oxidação diretamente nos eletrodos, não atinge algas do display do lago.

  • Melhores mídias: Não usa.

  • Piores mídias: Não usa.

  • Facilidade de manutenção: Fácil, basta inverter os polos dos eletrodos e descartar a água.

  • Dicas: Se usar o Oximax na entrada da filtragem biológica, você vai aumentar o oxigênio disponível para as bactérias nitrificantes, além de oxidar a matéria orgânica e facilitar a filtragem física.

6.6 Gerador de Ozônio


O gerador de ozônio não é um filtro propriamente dito, ele é um equipamento que produz ozônio, uma molécula muito reativa com grande potencial de oxidação capaz de oxidar algas, moléculas orgânicas, nitrito, microrganismos e até mesmo peixes e pessoas se a concentração for elevada.


Quando usado corretamente o ozônio garante uma água completamente cristalina e incolor para o lago.


Há um sério embate sobre o ozônio eliminar algas das rochas, ornamentações e substratos do lago. Nós já vimos muitos lagos com ozônio e com algas. O ozônio livre na água é nocivo aos peixes mesmo em pequenas quantidades, então seu controle precisa ser bastante rígido.


No livro Recirculating Aquaculture (Ebeling & Timmons, 2010) ele mostram a seguinte tabela sobre a toxicidade do ozônio residual em algumas espécies de peixes:

Perceba como a concentração de ozônio em mg/l (que é a mesma coisa que ppm) é muito baixa para causar morte em pouco tempo. Menores concentrações causam efeitos ruim com resultados de longo prazo.


O governo australiano tem um bom texto sobre o uso de ozônio na piscicultura que pode ser lido no link abaixo apontando sobre vantagens, riscos, métodos e mecanismos.


https://www.dpi.nsw.gov.au/fishing/aquaculture/publications/water-quality-management/ozone-in-recirculating-aquaculture-systems


Os principais riscos apontado no material do link acima são:

  • Redução regular dos níveis de nitrito por oxidação química que podem fazer com que as bactérias que transformam nitrito e nitrato desapareçam do filtro biológico. Assim, quando o ozônio for interrompido, pode aparecer picos de nitrito.

  • Alta concentração de ozônio residual pode causar sérios danos e mortes aos peixes.

  • Alta concentração de ozônio residual pode causar dano ao filtro biológico causando grandes flutuações de amônia e nitrito.


Ozônio não é brincadeira e deve ser levado muito a sério.


Outro ponto que precisa muito importante a ser mencionado é o fato de uma série de gente estar vendendo equipamento geradores de ozônio que não geram ozônio nenhum!


Existem alguns vendedores que abusam do desconhecimento sobre o assunto dos aquaristas e oferecem produtos milagrosos e baratos que não passam de enrolação. Inclusive um desses vendedores plagiou nosso texto sobre a ORP pra usar em seu material de divulgação.


Falando no nosso material sobre ORP, acesse o link abaixo e dê uma olhada como funciona essa questão de oxidação e ORP.

https://www.aquariossobrinho.com/post/__orp


  • Forma de usar: A melhor forma de usar um gerador de ozônio é em uma câmara de reação fechada onde a água vai ficar por algum tempo reagindo com o ozônio e depois vai passar num filtro que vai remover o excesso de ozônio da água.

  • Principais vantagens: Oxida praticamente tudo que os filtros tradicionais para lagos removem, aumenta a oxigenação da água e deixa a água muito cristalina por conseguir oxidar particulado muito fino que os filtros mecânicos tem dificuldades de remover.

  • Principais desvantagens: O sistema completo com sistema de segurança acaba ficando caro e necessitando de manutenção constante para evitar acidentes.

  • Melhores mídias: Não usa.

  • Piores mídias: Não usa.

  • Facilidade de manutenção: Depende do sistema.

  • Dicas: Procure uma empresa que vai saber calcular de fato a necessidade do ozônio, o tempo de reação e os mecanismos de segurança. Usar ozônio de maneira errada pode causar acidentes graves, inclusive com pessoas.

Para quem estiver ainda interessado em ler mais sobre o uso consciente do ozônio, o artigo contido no link abaixo resume bem muita coisa.

https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/01919512.2011.604595


6.7 Filtros decantadores


Os filtros decantadores são filtros mecânicos que funcionam principalmente com a força da gravidade de forma que a matéria particulada mais pesada que a água do lago repouse no fundo do decantador e assim saia da coluna d’água.


Existem muitas formas de decantadores como os centrífugos, de placas e os simples. Quem tiver mais interesse pode ler o material abaixo sobre o assunto que é bem interessante.


https://docs.ufpr.br/~rtkishi.dhs/TH028/TH028_10_5_Tratamento_Decantacao.pdf


Nos lagos ornamentais os decantadores ajudam a remover principalmente a areia que pode danificar as bombas que movimentam o lago, além de separar galhos e folhas.

Embora os decantadores sejam filtros muito simples e de fácil construção, eles geralmente possuem um problema de necessitarem ser muito grandes e assim ocuparem muito espaço, coisa que os lagos ornamentais raramente tem disponível.


Nos lagos ornamentais os melhores decantadores são os decantadores centrífugos que são bastante compactos e atendem completamente as necessidades de filtragem de um lago ornamental.


Conheça os decantadores centrífugos da Aquários Sobrinho no link abaixo:

https://www.aquariossobrinho.com/filtro-decantador


  • Forma de usar: Depende do modelo do decantador. Os decantadores centrífugos podem ser ligados antes dos sistemas de filtragem física, química e biológica para remover os sólidos inertes e reduzir o tempo de limpeza dos outros filtros. No caso de decantadores simples, só instalar e usar a vazão correta.

  • Principais vantagens: Não usa mídias, baia manutenção e barato.

  • Principais desvantagens: Ocupam muito espaço.

  • Melhores mídias: Não usa.

  • Piores mídias: Não usa.

  • Facilidade de manutenção: geralmente fácil.

  • Dicas: Quando colocado antes dos filtros biológicos o decantador consegue reduzir muito o entupimento já que retém as partículas inertes pesadas que não se decompõe. Temos usado com muito sucesso filtros decantadores antes dos nossos filtros canister para lagos o que tem aumentando em mais de 50% o tempo de limpeza dos filtros biológicos.

6.8 Filtro Pega-folhas

O filtro pega-folhas é um aparato usado antes da captação das bombas dos lagos para separar que folhas e outras sujeiras, principalmente aquelas que ficam flutuando na superfície do lago. É um filtro muito simples e que evita uma série de problemas como entupimento de bombas e filtros.


A Aquários Sobrinho possui um filtro pega-folhas que está sendo usado em todo lago que fazemos. É simples, funcional e barato.


  • Forma de usar: O filtro pega-folhas é usado antes das bombas, geralmente acoplados diretamente nelas.

  • Principais vantagens: Evita que material diverso como folhas, galhos, sacolas e similares entupam bombas e filtros. Também segura folhas flutuantes que atrapalham o visual do lago.

  • Principais desvantagens: Não há como camuflar facilmente no lago, geralmente ele fica visível.

  • Melhores mídias: Não usa.

  • Piores mídias: Não usa.

  • Facilidade de manutenção: Muito fácil, basta puxar a cesta, jogar fora e colocar a cesta no lugar.

  • Dicas: O filtro pega folha pode ser usado com bomba independente apenas para manter a superfície do lago limpa em caso de lagos onde cai muita folha. As folhas leves ficam retidas nele sem atrapalhar a circulação de água.

6.9 Filtros de telas.

Os filtros de telas são filtros para filtragem mecânica que funcionam como uma peneira (são chamados de “sieve filter” por isso que numa tradução literal ficaria “filtro peneira”) e geralmente funciona muito bem no início, mas no longo prazo apresenta alguns problemas.


O principal atrativo desse tipo de filtro é o fato dele ser “autolimpante” devido a sujeira removida do lago ser alocada em outro lugar, mas a sujeira do lago não é o que causa problema nesse tipo de filtro.


Como as telas usadas nesse tipo de filtro são muito finas, no longo prazo de um algo um biofilme grosso se forma e entope as telas. Além do biofilme, como a maioria dos lagos são expostos à luz solar, algas e musgos crescem e entopem e é preciso esfregar com escovas duras. Quando a tela entope, a água procura outros caminhos e pode fazer muita bagunça.


Também é um filtro que tem dificuldade de funcionar com grandes vazões. Em vazões superiores a 20.000 litros por hora precisa de ser grande. O filtro de tela funciona melhor em pequenas vazões.


O melhor tipo de filtro de tela é o rotativo porque os bons modelos possuem escovas que fazem a limpeza profunda regular. Iremos falar dos filtros rotativos mais à frente.


  • Forma de usar: É um filtro que funciona por gravidade, geralmente antes do sump já que não faz sentido usar depois do sistema de filtragem. Alguns utilizam como um filtro independente.

  • Principais vantagens: Simples, prático e funcional.

  • Principais desvantagens: No longo prazo acaba tendo manutenções constantes, muitas vezes necessitando deixar a tela de molho pra limpar a sujeira entre a malha que a escova não alcança. Muitos dos equipamentos acabam desperdiçando muita água na autolimpeza do filtro.

  • Melhores mídias: não usa.

  • Piores mídias: não usa.

  • Facilidade de manutenção: Fácil.

  • Dicas: É um filtro mais decorativo do que funcional na nossa opinião, então use apenas em lagos pequenos. Em lagos grandes, com grandes vazões, esse tipo de filtro costuma dar grandes problemas.

6.10 Filtros rotativos

Os filtros rotativos são muito usados em lagos ornamentais no exterior devido à sua qualidade de serem compactos e fazerem uma excelente filtragem mecânica e biológica. No Brasil desconhecemos pessoalmente quem use esse tipo de filtro devido aos seus elevados custos de aquisição e manutenção.


Existem basicamente dois tipos de filtros rotativos: os filtros rotativos para filtragem biológica e os filtros rotativos para filtragem mecânica. Ambos são muito parecidos e às vezes o mesmo filtro faz ambas as filtragens.


  • Forma de usar: Esses filtros funcionam dentro de um sump próprio, então basta usar da mesma forma que um sump tradicional.

  • Principais vantagens: Compactos, possuem alta taxa de nitrificação e remoção de sólidos.

  • Principais desvantagens: São caros e de manutenção especializadas.

  • Melhores mídias: Esse filtro geralmente usa mídias específicas, mas no geral as mídias são plásticas devido ao peso. Quanto maior o peso, maior o custo de energia pra movimentar.

  • Piores mídias: Mídias pesadas.

  • Facilidade de manutenção: Difícil manutenção.

  • Dicas: Como nunca mexemos com esse tipo de filtro, não podemos dar nenhuma dica realmente útil.


6.11 Filtros fluidizados e filtros de leito móvel


Os filtros fluidizados são filtros bastante antigos e bastante usados para a filtragem biológica de aquários, lagos, criação de peixes de corte, tratamento de esgotos, etc. Os filtros de leito móvel são parecidos com os filtros fluidizados, mas possuem uma intensidade menor. Embora o filtro fluidizado seja diferente de um filtro de leito móvel, colocamos ele no mesmo grupo nesse texto.


Os filtros fluidizados utilizam um fluxo intenso de água para fazer com que a mídia do filtro adquira comportamento parecido com o de um fluido e isso garante uma grande difusão de nutrientes que permite uma nitrificação a taxas muito elevadas, muito maiores que os filtros com mídia parada.


O vídeo abaixo mostra um de nossos filtros fluidizados com areia fina. Perceba o quanto ela expande no filtro, o quanto ela aumenta de volume. Ela aumenta mais de 4 vezes o volume que ocupa com o filtro desligado.

O filtro de leito móvel é aquele filtro que a mídia adquire um pouco de movimento, mas não se comporta como um fluido. A maioria dos filtros de k1 e espumas são filtros de leito móvel e não filtros fluidizados.


Acesse o link abaixo e conheça um pouco dos filtros fluidizados que a Aquários Sobrinho faz.

https://www.aquariossobrinho.com/fluidizado


Os filtros fluidizados e filtros de leito móvel fazer principalmente a filtragem biológica. Quando usado com mídias especiais de resina fazem a filtragem química. Não se deve misturar mídias de filtragem químicas com mídias de filtragem biológica.

Falando em mídias, esses modelos de filtros usam uma grande quantidade de mídias leves com mídias plásticas na forma de anéis, bolinhas ou batata chips, areia fina, resinas especiais, espumas cortadas.


O filtro fluidizado só deve usar um tipo de mídia com mesma granulometria

Uma das mídias mais funcionais para esses tipos de filtro é a aragonita fina. A aragonita é uma excelente mídia para fixação de bactérias nitrificantes além de repor carbonatos e elementos traços da água. Aragonita só deve ser usada como mídia de filtro fluidizado em aquários de pH e dureza altos, como marinhos e ciclídeos africanos.


  • Forma de usar: É um filtro separado que precisa ser regulado de acordo com a mídia que se vai usar. Cada conjunto de mídia, modelo de filtro e vazão tem uma configuração diferente.

  • Principais vantagens: Melhores taxas nitrificação por manter sempre as colônias de bactérias nitrificantes se regenerando.

  • Principais desvantagens: Não faz filtragem física de nenhum tipo. A regulagem é delicada e precisa de atenção constante.

  • Melhores mídias: Aragonita, areia muito fina, esferas plásticas pequenas e resinas especiais.

  • Piores mídias: Mídias pesadas.

  • Facilidade de manutenção: De baixa à moderada.

  • Dicas: O filtro fluidizado é um excelente filtro secundário para aprimorar uma filtragem biológica deficiente. Por ter um grande aproveitamento na nitrificação, é um excelente filtro pra se comprar quando o lago está montado há bastante tempo e apresenta aumento de amônia e nitrito.


Já escrevemos um texto falando sobre filtros fluidizados que pode ser lido no link abaixo:

https://www.aquariossobrinho.com/post/tareiafluid


6.12 Filtros de leito de areia


Lembra das aulas do primário onde a professora pedia pra cortar uma garrafa de refrigerante, colocar primeiro brita, depois areia grossa, depois areia fina e depois algodão e filtrar a água suja? Então, aquilo é um filtro de leito de areia.


Os filtros de leito de areia são dos filtros mais antigos que existem para tratamento de água, seja para beber, seja para criação de peixes de modo geral. São baratos já que o principal conteúdo do filtro é areia e se acha em qualquer lugar.


Esse tipo de filtro tem uma grande capacidade de reter partículas, até mesmo as mais finas e também uma grande capacidade de filtragem biológica. Se for considerar uma areia grossa, ela tem cerca de 1 metro quadrado de superfície específica por litro, mais que qualquer mídia plástica usada em filtragem. Agora, pensa num filtro com 200 litros de areia?


Os filtros de leito de areia mais simples são caixas com areia que a água desce filtrando como mostra o vídeo abaixo.

A característica mais importante desse filtro é que a filtragem é muito lenta, a água vai descendo bem devagar por entre a areia por gravidade. Por essa característica, esse filtro precisa ter uma área superficial muito grande, ou seja, precisa ser largo e comprido, sendo a profundidade pouco importante.


O vídeo abaixa mostra o funcionamento do filtro de areia.

É um filtro muito simples e que funciona muito bem até ter que dar manutenção.

  • Forma de usar: basta usar a bomba do lago para jogar água em cima do filtro e deixar filtrar por gravidade até o lago novamente.

  • Principais vantagens: Construção barata e simples.

  • Principais desvantagens: manutenção muito trabalhosa.

  • Melhores mídias: Areia grossa.

  • Piores mídias: Areia fina.

  • Facilidade de manutenção: Muito difícil.

  • Dicas: Embora seja fácil de fazer, não tente fazer um se não tiver experiência, prefira um dry wet.

6.13 Filtro de plantas


Os filtros de plantas são famosos nos lagos ornamentais, lagos não ornamentais e até mesmo no tratamento de água residuária. Esse filtro usa a capacidade das próprias plantas de absorver amônia e nitrato e, concomitante a isso, a capacidade de fixação das bactérias nitrificantes nas raízes delas.


Já escrevemos um texto bem interessante sobre o uso de filtro de plantas em aquários que pode ser lido no link abaixo:

https://www.aquariossobrinho.com/post/filtroplantas


Uma segunda vantagem sobre filtro de plantas é que, se bem feitos, são filtros ornamentais. Os próprios filtros de plantas, com a seleção adequada delas, são visualmente bonitos.


Um problema desse filtro é que não é possível fazer a limpeza deles, não há como tirar as plantas, limpar suas raízes, então acumula uma grande quantidade de matéria orgânica entre as plantas o que torna a água do lago frequentemente amarela.


Em lagos esse tipo de filtro tem um problema: a maioria dos peixes usados em lagos ornamentais comem plantas. Muitas vezes os peixes nem mesmo estão atrás das plantas, mas caçam animais e alimento entre as plantas, o que danifica o filtro e faz uma grande bagunça.


Por esse motivo o filtro de plantas precisa ser isolado dos animais com esses hábitos do lago, seja como um lago isolado, seja com telas de separação. As telas de separação permitem que peixes pequenos se abriguem e reproduzam nas plantas do filtro.


Recomendamos que um filtro de plantas para um lago ornamental tenha uma superfície de 50% a 100% da superfície do lago ornamental. Se o lago tem 10 metros quadrados, o filtro tem que ter de 5 a 10 metros quadrados. Apenas com essa relação que tivemos sucesso com esse tipo de lago, menos que isso não se mostrou funcional.

A vazão de um filtro de plantas é no mínimo igual a vazão de um sistema de filtragem convencional.


Existem uma série de plantas que podem ser usados que se adaptam a diferentes temperaturas ambientais, taxas de insolação, parâmetros de água, vento, etc. Embora seja um filtro simples, não é fácil de mexer.


As principais espécies usadas em filtro de plantas são: Cyperus papyrus (papiro), Zantedeschia aethiopica (copo de leite), Canna x Generalis (biri), Cyperus isocladus (mini papiro), Zingiber spectabile (gengibre ornamental), Agapanthus africanus (agapanto), Dietes bicolor (moréia), Heliconia psittacorum (helicônia-papagaio), Neomarica caerulea (falso íris), Nelumbo nucifera (flor de lótus), Typha latifolia (Taboa).


De longe o papiro é uma das plantas mais fáceis de manter e melhores para um filtro de plantas. Crescem muito, são resistentes e são bonitos.


Um ponto sobre a devida escolha das plantas é sobre a manutenção. Plantas flutuantes geralmente soltam raízes com facilidade que ajudam a sujar a água e o fundo do lago. As flutuantes pequenas são difíceis de conter e acabar se espalhando pelo lago.


Muitos dos filtros de plantas para lagos são construídos em leito de material de suporte, geralmente brita.


Quem tiver interesse em ver mais esse assunto, podem procurar sobre “wetlands”, que é o termo usado para esse tipo de filtragem. O link abaixo traz um compilado em português muito bom sobre o assunto:

https://gesad.ufsc.br/files/2018/12/Boletim-Wetlands-Brasil-Edi%C3%A7%C3%A3o-Especial-Dimensionamento-de-Wetlands-Constru%C3%ADdos-no-Brasil-von-Sperling-Sezerino-2018-2.pdf


  • Forma de usar: basta separar o filtro de plantas do lago com uma tela ou fazer a interligação dos lagos com bombas.

  • Principais vantagens: É bonito e tem baixa manutenção se resumindo em podas e remoção do excesso de plantas.

  • Principais desvantagens: É um sistema biológico complexo, difícil regular e dimensionar a relação de quantidade de plantas e demanda de filtragem do lago. É o sistema de filtragem que ocupa mais espaço.

  • Melhores mídias: Não usa necessariamente.

  • Piores mídias: Não usa.

  • Facilidade de manutenção: Se precisar de manutenção vai dar muito trabalho.

  • Dicas: Prefira um sistema de filtragem convencional, o resultado é mais garantido. O método funciona, mas pode gerar tanta dor de cabeça que a maioria dos lagos não usa. Como complemento de filtragem é uma excelente ideia.

6.14 Filtro Ultravioleta (UV)


O filtro UV é o filtro mais comum e funcional de lagos ornamentais já que é o principal responsável por manter o lago livre das algas suspensas. É um filtro simples composto basicamente de uma lâmpada dentro de um tubo onde a água passa em volta.


Não vamos nos estender sobre o filtro UV porque já escrevemos um bom texto informativo sobre ele que pode ser lido no link baixo:

https://www.aquariossobrinho.com/post/filtrouv


Também escrevemos um texto sobre mitos muito comuns sobre o filtro UV, principalmente aquele que diz que UV mata algas nas pedra e troncos de aquários e lagos ornamentais que pode ser lido no link abaixo:

https://www.aquariossobrinho.com/post/mitosuv


  • Forma de usar: Com bomba independente seguindo a vazão recomendada pelo fabricante.

  • Principais vantagens: Muito efetivo para eliminar algas suspensas.

  • Principais desvantagens: nenhuma.

  • Melhores mídias: não usa.

  • Piores mídias: não usa.

  • Facilidade de manutenção: fácil.

  • Dicas: deixe o filtro UV sempre ligado, independente da presença de água verde ou não. Em alguns lagos com muita matéria orgânica pode-se formar um biofilme na luva de quartzo prejudicando a efetividade do equipamento.

7. Principais pontos a se considerar em um filtro de lago ornamental


Já falamos bastante sobre os pontos de filtragem física, química e biológica, já falamos de problemas comuns e já falamos dos principais tipos de filtros, agora vamos dar algumas considerações gerais sobre a filtragem do lago ornamental.


Embora a gente tenha escrito muita coisa até aqui, isso sempre vai ser uma linha geral de caminho, nunca uma norma fixa. Cada lago possui peculiaridades, assim como os seus donos, que precisam ser respeitadas.


Colocaremos 4 pontos de atenção que consideramos o mais importante para se ter um lago de sucesso e evitar muita dor de cabeça.


7.1 Tamanho do lago, qualidade da água, tamanho do filtro e custo


Como dissemos: lago grande, filtro grande. Não existe como fugir disso. Agora podemos completar que quanto mais transparente e livre de partículas a água do lago, muito maior a necessidade de mais filtros.


Chega um ponto na filtragem de lago que a necessidade de filtragem deixa de ser linear e passa a ser exponencial. Se você não está acostumado com essa analogia, vamos dar um exemplo abaixo.


Vamos supor que o lago produza todo dia 10 partes de amônia e 10 partes sujeira e você queira que no fim do dia o lago não tenha nem amônia e nem sujeira. Pra você tirar 1 parte de amônia você usa 5 litros de mídia biológica e para tirar 1 parte de sujeira você usa 2 litros de mídia física. Quando você já removeu 6 de amônia e 6 de sujeira, a maioria fica mais difícil pro filtro remover e a quantidade de mídia necessária aumenta. Agora, pra tirar a parte 7 de amônia e de sujeira, serão necessários mais 8 litros de mídia biológica e 3 litros de mídias física. Pra tirar a parte 8 serão necessários maios 11 litros de mídia biológica e 4 litros de mídia física, o dobro de mídia para remover a primeira parte de sujeira e amônia.


A tabela abaixo mostra a quantidade de mídia necessária no sistema de filtragem para remover as partes de amônia e contaminante. Perceba que cada parte de amônia e sujeira até a sexta parte usam a mesma quantidade de mídia e as partes 7,8,9 e 10 usam bem mais. Para remover a décima parte de sujeira, que em quantidade é igual a qualquer outra parte, você gastar o triplo de mídia se comparado com as primeiras 6 partes.

Na filtragem do lago acontece exatamente igual, quanto mais fina a qualidade da filtragem, maior e mais caro vai ser todo o sistema de filtragem.

E não é só questão de mídia, vazão das bombas é outro ponto extremamente importante.


O problema disso é que muitas pessoas, por desconhecimento, fazem grandes lagos, esperam uma água como cristal, mas querem apenas usar um filtro pequeno que caiba no cantinho do lago.


Quanto melhor a qualidade de água do lago que você busca, maior vai ser o sistema de filtragem e muito mais caro ele vai ser.


Podemos definir como caro os seguintes pontos:

  • Dinheiro gasto para aquisição de materiais e equipamentos;

  • Tempo gasto na montagem do sistema;

  • Tempo gasto na manutenção do sistema;

  • Espaço física usado;

Existem algumas pessoas que tem conhecimento e boa vontade que conseguem fazer bons sistemas que vão atender a sua necessidade com um custo de dinheiro muito baixo, mas depende do investimento do seu próprio tempo com montagem e manutenção.


Geralmente filtros mais baratos ocupam mais espaço e dependem de mais manutenção. Filtros mais caros geralmente ocupam menos espaço e tem uma manutenção mais fácil.

Por linhas gerais, um lago mediano tem um custo financeiro de filtragem de R$2,00 a R$4,00 por litro considerando a compra do sistema de filtragem completo. À medida que aumenta o volume do lago o preço por litro diminui muito ligeiramente.

No fim, um filtro feito usando uma caixa d’água velha, brita e areia que estavam no quintal pode dar resultado tão bom quanto qualquer filtro profissional que usam mídias especiais, tudo depende do correto dimensionamento e, principalmente, dedicação do dono.


7.2 Frequência do sistema de filtragem de um lago ornamental


Todo lago vai dar mais manutenção que um aquário porque a demanda de filtragem é maior.


Todo dia vai ter um pega-folhas pra limpar, todo mês vai ter que esfregar as pedras pra tirar as algas (algas que vão parar no filtro que precisará ser limpo também) e por aí vai.


Se não der manutenção regular no sistema de filtragem do lago, a qualidade da água vai reduzindo gradativamente. Qualidade de água pior vai dar explosões de algas com maior quantidade, reduzir a saúde dos peixes e deixar a água com aspecto desagradável.


Na hora de escolher o sistema de filtragem, pense muito no fator manutenção, se é o dono do lago que vai fazer as manutenções semanais, se vai contratar alguém pra fazer as manutenções, etc.


Existem sistemas de filtragem com maiores e menores intervalos de manutenção. Geralmente os sistemas de filtragem que possuem um maior intervalo entre as limpezas ou que possuem limpeza facilitada são mais caros.

O ideal é que ao menos uma vez por semana os filtros sejam limpos e conferidos.

7.3 Vazão do sistema de filtragem


Os lagos por serem geralmente em ambiente externo acabam recebendo uma grande quantidade de sujeira que os aquários dentro de casa não recebem. Cada vento que dá acaba jogando um pouco de poeira dentro do lago que acaba turvando a água.


Por essa razão é recomendado que o lago tenha ao menos o dobro do seu volume por hora em circulação do sistema de filtragem para garantir uma boa filtragem. Boa filtragem não é uma filtragem perfeita. Os lagos de filme que parecem um cristal têm taxas de circulação de água muito altas.

Como diretriz principal: tenha no mínimo o dobo do volume bruto do seu lago de vazão por hora.

7.4 Pense no futuro do seu lago


Uma coisa sobre lagos é que eles não são estáticos em relação à demanda de filtragem, essa demanda aumenta conforme passa o tempo. À medida que os peixes crescem, que as algas crescem, que as plantas crescem, a demanda de filtragem aumenta.


É sempre importante estimar a filtragem do algo para o cenário final do lago, como o máximo de peixes que ele suportaria mesmo que não chegue a isso.

8. Conclusão


Para finalizar esse pequeno tratado sobre filtragem de lagos ornamentais apenas queremos dizer que a filtragem do lago ornamental é muito importante e que não precisa ser algo muito caro ou algo muito moderno, existem sistemas simples e muito eficazes.


Lago ornamental é gasto de dinheiro e dá trabalho, mas não precisa ser uma dor de cabeça. Tenha paciência, tome as decisões adequadas para sua situação que você será bastante feliz com seu lago.

Se você for curioso e tiver curiosidade, tempo e disposição é possível montar seu próprio sistema de filtragem sem muitos problemas já que é se resume em mídias + circulação apenas.


Se você não tiver aptidão e quiser evitar dor de cabeça contrate a Aquários Sobrinho para construir seu sistema de filtragem que a satisfação é garantida.


Monte o sistema de filtragem do seu lago com a Aquários Sobrinho


Se você é do estado do Espírito Santo e tem vontade de ter seu aquário ou lago ornamental, entre em contato conosco que escutaremos as suas vontades e ideias e faremos o orçamento sem compromisso.


Trabalhamos com aquário de no mínimo 200 litros.

Se você é de outro estado brasileiros, nós enviamos os equipamentos que fabricamos para qualquer lugar do Brasil.

Entre em contato e faça o seu orçamento:

https://www.aquariossobrinho.com/contato


Referências do texto


AMERICAN WATER WORKS ASSOCIATION et al. Water quality & treatment handbook on drinking water. McGraw-Hill, 2011.

CRITTENDEN, John C. et al. MWH's water treatment: principles and design. John Wiley & Sons, 2012.

STUETZ, Richard M.; STEPHENSON, Tom (Ed.). Principles of water and wastewater treatment processes. Iwa Publishing, 2009.

XU, Zhonglin; ZHOU, Bin. Fundamentals of air cleaning technology and its application in cleanrooms. Springer Berlin Heidelberg, 2014.

FUKUSHI, Kensuke et al. (Ed.). Sustainability in food and water: An Asian perspective. Springer Science & Business Media, 2010.

EBELING, James M.; TIMMONS, Michael B. Recirculating aquaculture. Cayuga Aqua Ventures, 2010.

ZANELLA, Luciano; NOUR, Edson Aparecido Abdul; ROSTON, Denis Miguel. Wetlands-construídas vegetadas com plantas ornamentais no pós-tratamento de efluentes domésticos. FEC/UNICAMP, 3pp, 2007.

Dúvidas

Sobre a Aquários Sobrinho

Serviços

Redes Sociais

  • Facebook
  • YouTube

Aquários Sobrinho 

Telefones: 27 33261100 - 27 993115626 - 31 982859240

email para orçamentos: angelolucas90@yahoo.com.br

email para fábrica: sobrinhoaquarios@gmail.com

Endereço: Rua Luiz Soares do Nascimento, 109, Ilha das Flores, Vila Velha -ES

CNPJ 26.049.716/0001-77